Festa rubro-negra no Pacaembu: Fla derrota Bahia e conquista a Copinha

25 de janeiro de 2011 - 12:04 | Postado por:

Depois de 21 anos, o Flamengo volta a fazer festa no dia do aniversário de São Paulo. O Pacaembu, tomado de vermelho e preto, comemorou o título do time carioca na Copa São Paulo de Futebol Júnior, após a vitória por 2 a 1 sobre o Bahia, na tarde desta terça-feira. O Tricolor chegou a empatar e até ter chances de vencer, mas cometeu um pênalti na segunda etapa e abriu o caminho para o Rubro-Negro, que passou a dominar o jogo e poderia ter ampliado o placar. Com as presenças da presidente Patrícia Amorim e do técnico Vanderlei Luxemburgo como torcedores ilustres, a equipe carioca conquistou seu segundo título na história da competição – o primeiro foi em 1990, em um time que tinha Marcelinho Carioca, Djalminha, Paulo Nunes, Júnior Baiano e Nélio. Os nomes de hoje são César, Negueba, frauches, Rafinha, Lucas e Adryan.

O sol resolveu aparecer com força no aniversário de São Paulo e tirou cada gota de suor dos jogadores e dos torcedores. Empurrado pela torcida que era maioria e encheu o Pacaembu, o Flamengo encontrou nos primeiros minutos um Bahia nervoso. E logo aproveitou. Aos sete minutos, o zagueiro Frauches pegou uma sobra na área e, de pé esquerdo, encheu a bomba e acertou a rede de Renan, sem chances para o goleiro: 1 a 0 para o Rubro-Negro e festa da torcida (assista ao vídeo). A presidente do clube carioca, Patrícia Amorim, e o técnico do time principal, Vanderlei Luxemburgo, gostavam do que viam.

Mas o técnico tricolor, Laelson Lopes, não estava nada satisfeito com o desempenho de sua equipe. E foi ousado. Ainda aos 11 minutos da primeira etapa, fez uma mudança: tirou o lateral João Marcos, que sentia dores, e colocou Valson, mais ofensivo, para tentar chegar ao empate.

Aos poucos a mudança surtiu efeito. O Flamengo até chegava mais, mas perdia a bola pedindo faltas. O Bahia começou a incomodar o goleiro César. Até que, aos 30 minutos, conseguiu um pênalti após Marllon tocar a mão na boa dentro da área. Festa dos torcedores tricolores, que estavam em menor número, mas muito animados. Rafael anotou com uma cobrança alta, bem colocada, e registrou o empate: 1 a 1. Mas, ao correr para comemorar perto do tobogã, onde estavam os torcedores do Bahia, o menino pulou a placa de publicidade e caiu na mureta da escada do vestiário. Precisou de atendimento médico, mas voltou ao jogo (assista ao vídeo).

Foi a vez de o Flamengo sentir o impacto do gol e se enrolar em campo. César seguiu sendo exigido pelo ataque do Bahia. Mas, aos poucos, o time carioca voltou a criar boas chances. E, mais uma vez, a cair demais pedindo falta, o que não comovia a arbitragem. Entre chutes de longe e jogadas individuais de Adryan, o Rubro-Negro não conseguiu marcar mais um. E o Bahia, um pouco mais relaxado, guardou energia para o segundo tempo. Mas ainda teve uma grande chance nos minutos finais. Em cobrança de falta rasteira de Brendon, quase que César não alcança a bola.

Segundo tempo

 O Bahia voltou tranquilo e disposto a virar o jogo. Brendon obrigou César a deitar para fazer uma defesa importante. O Flamengo ainda tentava entrar no ritmo e desperdiçou uma cobrança de falta com Negueba. O time carioca, sem uma boa atuação deste que é considerado o principal atleta do grupo, era afobado e tinha dificuldades de trocar passes nos contra-ataques. Bem mesmo estava César, defendendo bolas muito difíceis, como a que Filipe mandou com muita força.

Em um lance individual, Lucas sofreu falta dura de Dudu e precisou ser substituído pouco depois. O jogador do Bahia recebeu amarelo, mas correu risco de ser expulso. Só que o vermelho que não veio naquele momento apareceu aos 23 minutos. O mesmo Dudu puxou a camisa e derrubou na área Thomas, que entrou na vaga de Lucas. O atleta do Bahia foi mais cedo para o chuveiro. Negueba bateu com tranquilidade, no canto alto direito do gol de Renan: 2 a 1 para o Flamengo e festa da torcida rubro-negra nas arquibancadas (assista ao vídeo).

O gol deu ao time carioca o ânimo e a confiança que estavam faltando. A partir daí, o Rubro-Negro passou a bombardear a defesa do Bahia com várias oportunidades em velocidade, principalmente com Thomas. Negueba, que não estava bem, também cresceu na partida. O Bahia, com um a menos e sofrendo também com o calor, tinha muita dificuldade de segurar o adversário, mas conseguia na medida do possível.

Mesmo com o placar apertado, a torcida do Flamengo passou a gritar “olé’ aos 40 minutos do segundo tempo. A festa já começava nas arquibancadas. Rafinha, substituído nos minutos finais, não foi tão decisivo na final, mas foi ovacionado pela torcida pelo desempenho ao longo da competição.

No minuto final, o Bahia levou muita emoção: Laercio pegou uma sobra pela direita, sozinho na área e chutou para o gol. César espalmou e salvou o título do Fla. Depois do sufoco, a torcida do Flamengo soltou o grito de “é campeão”!

FLAMENGO 2 X 1 BAHIA
Cesar; Alex, Marllon, Frauches e Anderson; Muralha, Rafinha (China), Lorran e Adryan (Pedrinho); Negueba e Lucas (Thomas). Renan; João Marcos (Valson), Dudu, Everton e Laércio; Anderson, Fernando (Rodrigo), Brendon (Mansur) e Filipe; Fábio e Rafael.
Técnico: Paulo Henrique Técnico: Laelson Lopes
Gols: Frauches, aos sete minutos, e Rafael (de pênalti), aos 30 minutos do primeiro tempo; negueba (de pênalti), aos 23 minutos do segundo tempo.
Cartões amarelos: Frauches, Marllon, Anderson (Flamengo); Filipe (Bahia). Vermelho: Dudu (Bahia)
Estádio: Pacaembu, em São Paulo (SP). Data: 2501/2011. Árbitro: Vinicius Furlan. Auxiliares:David Botelho Barbosa e Marcio Jacob .

Deixe um comentário

Comentários

  1. A pequena cidadeTrancoso na Bahia realmente e um lugar para recarregar as baterias. Eu adoro caminhar pelo quadrado na parte de tarde e beber um taco de vinho em um restaurantes lindas com vista para a linda igreja.

© Copyright 2016 TV Taquari Rede Record. Política de Privacidade.
Desenvolvido por: Agência Camargo