Impaciente e hostil: torcida do Fla se irrita, xinga Joel e se divide sobre R10

9 de março de 2012 - 10:39 | Postado por:

Uma vitória conquistada sob clima de hostilidade. Nesta quinta-feira, a torcida do Flamengo se dividiu entre apoio e impaciência no Engenhão. A vitória apertada do time sobre o Emelec, do Equador, por 1 a 0, pela segunda rodada do Grupo 2 da Libertadores, não convenceu. Durante quase toda a partida, os rubro-negros se manifestaram com vaias. Os chutões de Welinton, as opções de Joel Santana, os incontáveis erros de passe de Bottinelli e o fraco desempenho de Negueba, que substitiu Léo Moura ainda no primeiro tempo, foram criticados.

Mas nada tão marcante quanto a insatisfação com Ronaldinho Gaúcho. Já no primeiro tempo, quando o Flamengo teve a chance de cobrar uma falta da entrada da grande área, os torcedores gritaram o nome de Bottinelli. O argentino sequer ficou perto da bola, e o camisa 10 por pouco não marcou.

Nos primeiros 45 minutos, o Rubro-Negro jogou com três zagueiros: Welinton, Marcos González e David Braz. O esquema havia funcionado bem no coletivo de terça-feira, mas o desempenho do treino não se repetiu na partida. R10 passou a maior parte da etapa inicial do lado esquerdo do ataque e buscou jogadas com Botti e Love. No entanto, faltava a ligação do meio com os homens de frente. Havia um buraco na equipe, que errou muitos passes e teve dificuldades para invadir a área adversária na base do toque de bola.

Ronaldinho foi o jogador que mais finalizou a gol na partida: três vezes, todas no primeiro tempo, curiosamente enquanto ele ainda não era vaiado – e duas delas em cobranças de falta.

Na volta do intervalo, o gol de Vagner Love, aos três minutos, após tabela com o camisa 10, deu a impressão de que os ânimos ficariam sossegados. Em noite ruim, de pouca inspiração e muitos erros, o time não conseguiu conquistar o torcedor. Ronaldinho voltou a ser alvo após tentar um passe de ombro para Deivid dentro da área. Não deu certo. A partir daí, o astro da companhia passou a ser vaiado a cada toque na bola. E também ouviu ofensas.

– Ei, Ronaldinho, vai…

Ronaldinho Gaúcho na partida do Flamengo contra o Emelec (Foto: André Portugal / Vipcomm)Ronaldinho Gaúcho não brilhou, mas teve participação direta no gol da vitória (Foto: André Portugal / Vipcomm)

O posicionamento do jogador mudou na segunda parte do confronto. Com um homem a mais, Joel sacou Welinton e voltou do intervalo com Deivid. R10 continuava pelo setor esquerdo, só que mais como um armador, buscando sair da área para tentar lançamentos para os laterais e assistências. O desempenho foi regular.

As críticas não me incomodam. Me dão motivação para trabalhar mais e me reerguer”
Ronaldinho

As vaias não são novidade para Ronaldinho no Flamengo. Na temporada passada, ele foi muito criticado, por exemplo, na derrota por 2 a 1 para o Ceará, no Engenhão, pelas quartas de final da Copa do Brasil. Mas jamais da forma como se viu nesta quinta.

Em um determinado momento, o estádio se dividiu. Gritos de “Ah, é Ronaldinho!” também foram ouvidos. No campo, o jogador, que já teve atuações piores, sentiu que precisava mostrar mais empenho, deu um bom passe para Deivid e um carrinho para marcar a saída de bola adversária. Parte do público voltou atrás e passou a incentivar.

– Independentemente de qualquer coisa, o resultado veio. Isso é o que mais importa para o Flamengo. Vamos torcer para não sofrermos com mais nenhuma lesão e trabalhar para vencermos nossos próximos jogos. As críticas não me incomodam. Me dão motivação para trabalhar mais e me reerguer – disse.

Joel Santana Flamengo x Emelec (Foto: André Portugal / VIPCOMM)Joel Santana foi muito criticado pelos torcedores
(Foto: André Portugal / VIPCOMM)

Joel Santana também não foi poupado. Aos 29 minutos do primeiro tempo, Léo Moura saiu machucado. O técnico optou por lançar Negueba na ala direita e ouviu gritos de burro. Fato que se repetiu na saída da equipe para o intervalo, quando o placar ainda estava em branco. O Rubro-Negro terminou a primeira etapa com um homem a mais. Marlon de Jesús fora expulso aos 47, após acertar o rosto de Welinton.

– Eu perdi um lateral-direito e coloquei um ponta. Mas não foi por acaso. Neguebinha só não fez o gol porque não teve sorte. Ele ia fazer o gol, ia ficar muito feliz. Nós erramos umas cinco bolas para botar ele no mano a mano com o lateral e ir embora. Ele ia fazer o gol ali. Era só ficar acompanhando. Na hora que pegasse na rapidez, ia dar certo. Infelizmente ele não conseguiu – analisou o técnico.

Nos últimos minutos, o volante Muralha, que apresentou um bom desempenho, teve o nome gritado pela torcida. Após o apito final, Joel novamente foi vaiado e xingado.

– Ei, Joel, vai…

O Flamengo chega a quatro pontos na chave, ultrapassa o Emelec na tabela, assume a primeira posição, mas vai ter de reconquistar terreno no coração dos rubro-negros. O time volta a jogar pela Libertadores na próxima quinta-feira, contra o Olimpia, do Paraguai, no Rio. O confronto será às 19h30m (de Brasília). Neste domingo, a equipe entra em campo para enfrentar o Fluminense, pela terceira rodada da Taça Rio, às 18h30m.

Deixe um comentário

© Copyright 2016 TV Taquari Rede Record. Política de Privacidade.
Desenvolvido por: Agência Camargo