Relatório comprova denúncias da Record e mostram que Ricardo Teixeira recebeu propina da ISL

26 de abril de 2012 - 08:43 | Postado por:

Relatório divulgado pelo Conselho da Europa, instituição que defende a transparência e os direitos humanos no continente europeu, comprova a ligação de Ricardo Teixeira, ex-presidente da CBF, e João Havelange, ex-chefão da Fifa, no esquema de desvio de dinheiro e recebimento de propina no caso ISL, como denunciado pela TV Record.

Os fatos mostrados pela emissora colaboraram para a renúncia de Teixeira após 23 anos no comando da principal instituição do futebol brasileiro, acusado de uma série de atividades ilegais e corrupção, e foram abordados pela instituição europeia, em relatório divulgado nesta terça-feira (24).

Sem citar os nomes, que estão sob sigilo graças a um acordo entre a Fifa e a Justiça suíça, o relatório aponta que os dois dirigentes com fortes ligações com a América do Sul receberam parte dos R$ 300 milhões (aproximadamente 122 milhões de francos suíços) que foram desviados do caixa da falida empresa de marketing ISL. Teixeira e Havelange podem ter embolsado, juntos, uma quantia superior a R$ 70 milhões (US$ 40 milhões) desse bolo.

 

A ligação dos dois ex-chefões do futebol brasileiro foi feita por meio de empresas criadas pelos dirigentes e que fizeram movimentações altíssimas em transações com a ISL. Voltou à cena a empresa Sanud, empresa criada no paraíso fiscal de Liechtenstein e que serviu de intermediária para o repasse de propina a Ricardo Teixeira. A Sanud foi representada no Brasil por Guilherme Teixeira, irmão de Ricardo, segundo revelou a CPI do Futebol, em relatório de 2001.

Toda a movimentação de desvio de verbas (o dinheiro deveria ir para os cofres da Fifa) foi acompanhado pela entidade, segundo Thomas Hildbrand, integrante do Conselho da Europa.

 

— Esse dinheiro pago por ‘baixo dos panos’ a funcionários inescrupulosos deveria ser pago à Fifa.

O atual presidente da Fifa, Josep Blatter, também não escapou das acusações de François Rochebloine, outro membro do Conselho.

— É difícil imaginar que Blatter não sabia que quantias significativas tenham sido pagas a seus funcionários. Isso significa que ele estava diretamente envolvido. É extraordinário que ele não faça nada para tornar as informações [relativas ao caso] públicas, e não deu qualquer passo para que a Fifa possa receber esse dinheiro de volta.

Outras denúncias

O caso ISL não foi o único em que Ricardo Teixeira teve seu nome envolvido. Como noticiaram a TV Record eR7, o ex-chefão da CBF esteve envolvido em outras séries de negócios suspeitos, que vão da lavagem de dinheiro a desvio de verbas públicas.

Em outra parceria suspeita, esta com o presidente do Barcelona, Sandro Rossell, Teixeira se beneficiou da negociação de uma partida entre Brasil e Portugal, em 2008, para encher seus cofres particulares.

O Ministério Público do Distrito Federal chegou a pedir a devolução do dinheiro pago pelo governo do DF para organizar o amistoso, valor que chega a R$ 9 milhões.

Além da Sanud, outras empresas foram criadas por Teixeira para esconder suas movimentações suspeitas e movimentações ilegais. Tais ações, investigadas na CPI do Futebol, levaram o Congresso a pedir o indiciamento do dirigente, mas ele escapou ileso, na época.

Pressionado pela série de denúncias da Record, Teixeira renunciou aos cargos de mandatário na CBF e no COL (Comitê Local da Copa) e a sua cadeira na Fifa, no dia 12 de março.

 

Deixe um comentário

© Copyright 2016 TV Taquari Rede Record. Política de Privacidade.
Desenvolvido por: Agência Camargo