FHC temia Bolsonaro e risco de golpe já em 1992

27 de setembro de 2018 - 20:09 | Postado por:

Ex-presidente abordou estes temas durante uma entrevista em maio daquele ano

Ameaça de golpe, ruptura institucional, Bolsonaro, crise partidária, reforma do Estado, Venezuela. Parece um retrato do turbulento quadro político brasileiro de 2018, mas esses foram os temas abordados pelo ex-presidente Fernando Henrique Cardoso em uma entrevista de maio de 1992.

Então senador de São Paulo pelo PSDB, FHC disse à revista Veja que o país corria o risco de um “curto-circuito”. A crise do governo Fernando Collor se acentuaria nos meses seguintes, o que culminou no impeachment em dezembro daquele ano.

“Hoje parece loucura imaginar um regime autoritário em Brasília, mas esse tipo de coisa não é previsível nem racional. Pode aparecer um maluco e pronto. Nós temos o Bolsonaro gritando, temos os militares com baixos soldos. Para piorar, o salário do trabalhador também é baixo, o do funcionário idem. Na Venezuela, também era loucura pensar em golpe e houve uma quartelada que contou com apoio popular”, afirmou o ex-presidente à revista.

Na entrevista FHC defendeu a necessidade de reformas nos partidos políticos e no sistema eleitoral, com o objetivo de reduzir o número de siglas com acesso ao Congresso, aumentar a representatividade do eleitorado e baratear as eleições.

A respeito do debate sobre privatizações, também em voga na eleição deste ano, disse que é maluquice preferir um “não Estado” a um “Estado deformado”, como o brasileiro.

“No Brasil é ilusão pensar em resolver a educação, a saúde e a Previdência privatizando, com essa massa de carentes. Digo isso porque não sou estatizante, sou realista.”

Admitiu ainda a hipótese de o PSDB, que hoje enfrenta sua principal crise numa campanha presidencial, se fundir com outros partidos. “Espero que não desapareça [o partido], mas o Brasil é mais importante do que o PSDB. Não estamos discutindo outros partidos, mas, se for necessário, o PSDB se reagrupa.”

À época da entrevista Jair Bolsonaro era deputado federal pelo PCD do Rio. Naquele período foi um dos principais articuladores de protestos pelo aumento do soldo dos militares.

Em 1986, antes de iniciar sua carreira política, Bolsonaro publicou na Veja o artigo “O salário está baixo”, em que pede aumento para a tropa. Acabou preso por 15 dias, acusado de “ter ferido a ética, gerando clima de inquietação na organização militar” e “ter sido indiscreto na abordagem de assuntos de caráter oficial, comprometendo a disciplina”.

Em 1992, em pronunciamentos na Câmara e numa passeata em maio por melhores salários aos militares, a Marcha pela Dignidade da Família Militar, o capitão reformado chamou o então ministro da Guerra, Carlos Tinoco, de “banana, palhaço e covarde.”

As declarações geraram mal-estar. Os ministros militares do governo Collor chegaram a cogitar prender Bolsonaro no dia da passeata por insubordinação, mas desistiram após avaliar que a medida geraria repercussões negativas.

A rixa entre o ministro e o capitão prosseguiu por alguns meses. Em agosto, Tinoco mandou guinchar um carro de Bolsonaro estacionado no portão principal de acesso da Academia Militar das Agulhas Negras, em Resende (RJ).

“Tem que tirar aquela porcaria de caro de lá. Se for preciso, eu mesmo vou”, gritou Tinoco. Em protesto, Bolsonaro sentou-se no capô enquanto este era rebocado.

“Um governo corrupto e imoral só pode ter atos autoritários como este”, reclamou. O capitão votou na Câmara pelo impeachment de Collor.

Sete anos depois, Bolsonaro também teve embates com FHC. Disse que Collor era um anjo, se comparado ao tucano.

“Se eu soubesse que depois de Fernando Collor viria Fernando Henrique Cardoso, não teria votado para cassar Collor. Collor, no meu entender, é anjo, é santo, perto de Fernando Henrique Cardoso”, disse a um programa de TV em 1999. Ao mesmo programa declarou que FHC deveria ser fuzilado.

“Através do voto você não vai mudar nada neste país. Nada. Você só vai mudar, infelizmente, quando nós partirmos para uma guerra civil aqui dentro. E fazendo um trabalho que o regime militar não fez. Matando 30 mil, começando por FHC.”

Com informações da Folhapress. 

Deixe um comentário

© Copyright 2016 TV Taquari Rede Record. Política de Privacidade.
Desenvolvido por: Agência Camargo